Dia 10 de junho é meu aniversário, eu amo aniversários, inclusive o meu rs. E o melhor presente que podemos ganhar de aniversário, em minha opinião, é o conhecimento.

Conhecer não ocupa espaço e nos torna esclarecidos, mais temperados e com opções de escolhas. Saber o porquê das coisas ultrapassa o limite físico e nos traz a consciência de que somos um grão de areia num universo imenso de possibilidades, porém extremamente importantes para a engrenagem social em que vivemos.

Essa tal engrenagem depende muito de práticas solidárias, empatia e detenção de informações relevantes sobre como podemos melhorar o seu andamento. E quando falo em solidariedade, não faço menção à doações de qualquer espécie e sim de responsabilidade recíproca, apenas entender e respeitar a dor ou a alegria do outro.

Este ano o meu presente foi conhecer a Rede Agroecológica Caiçara de Ubatuba, que é um coletivo de produção e consumo responsável, que foi fundamentada nos seguintes princípios:

– REDE = Solidariedade, coletivismo, voluntariado e o mais importante, confiança. Dentro desses princípios, os colaboradores assinam um termo de adesão e se comprometem com os princípios da rede, em ir às reuniões, a colaborar com uma anuidade simbólica para manutenção e funcionamento das feiras, submetem-se ao regimento interno escrito pelo coletivo e buscam uma nova forma de comercialização por economia solidária;

– AGROECOLÓGICA = Para os produtos in natura, é obrigatória a qualidade orgânica e agroecológica, auditados, cadastrados pelo MAPA (Ministério da Agricultura) como OCS (Organização de Controle Social) ou certificados pela rede também por controle social. Para os artesanais, devem ser o mais orgânicos possíveis, conter rótulos, seguir a norma RDC 49/2013 da Anvisa que dispõe sobre a regularização para o exercício de atividade de interesse sanitário do micro empreendedor individual, para empreendimento familiar rural e para empreendimento econômico solidário. E ainda à legislação de orgânicos, não fazendo o uso dos elementos proibidos pela lei como de transgênicos, corantes, aromatizantes, edulcorantes, gordura vegetal hidrogenada e fermento químico;

– CAIÇARA = Usar o máximo possível, a produção local, para que o dinheiro circule dentro do município, respeitando a terra e o que ela pode oferecer dentro do clima em que estamos, fazendo parcerias para o que não pode ser produzido aqui, primeiramente em âmbito municipal, regional, estadual e por último nacional. Estimula e realiza compras coletivas, priorizando orgânicos, agricultura familiar, produtos artesanais, cooperativas e assentamentos.

Tudo isso são os princípios básicos, primordiais, uma vez que deve se usar o bom senso para muitas decisões coletivas, como quem pode ou não comercializar na rede e avaliar as necessidades individuais para geração de renda e inclusão social.

Dentro desta ótica, podemos observar que toda sociedade precisa de política para sobreviver, e entendam, longe de ser partidária, política em sua raiz é a arte ou ciência da organizar, direcionar e administrar. Quando o dinheiro circula na cidade, aumenta a renda local, a taxa de emprego e também ocorre uma melhor distribuição de renda.

A Rede Agroecológica Caiçara de Ubatuba foi criada para fomentar a agricultura familiar e agroecológica do município e para que possamos ter consciência, que buscar uma qualidade de vida melhor para nós mesmos, nosso entorno e o ambiente. Valorizar quem se propõe a conhecer a terra e dela alimentar o próximo é admirável. O que se tem aqui em Ubatuba, em termos de qualidade de alimentos orgânicos, é muito raro, uma vez que a luta para o não uso de agrotóxicos nas plantações é grande, porém enfrenta forças poderosas como a indústria de agroquímicos a mídia.

É incrível observar que, uma cidade turística como a nossa, com uma cadeia gastronômica tão grande e diversificada, em sua grande maioria, não conheça ou não utilize os produtos dos produtores locais e sim de grandes distribuidores. No mínimo controverso.

Sair da zona de conforto e pensar que o bem do próximo é favorável à minha vida, não é fácil e infelizmente não fomos educados para isso. Mas o difícil não é impossível, procure se informar, entender e conhecer sobre o que vai para sua mesa, não é só um instrumento decisório no que diz respeito à aceitação ou não de produtos agroecológicos, é um trabalho que envolve a responsabilidade individual sobre o seu consumo e como ele afeta a sociedade como um todo. A rede, junto com seus parceiros que compõe a rede, orienta, oferece cursos para quem quer fazer uma transição tranquila de seus produtos para se tornarem orgânicos e colabora para a aquisição de certificação, declaração de OCS, dentre outras formas de certificação orgânica, de forma gratuita.

Conheçam, de verdade, e frequentem as feiras da rede, conversem com os colaboradores, são sempre todos muito bem humorados e dispostos a ajudar, faz bem para o corpo e para a alma, acreditem.

Para encontrar informações atualizadas sobre os produtores acessem www.chefroberta.com.br/rede-agroecologica

Juntos, somos mais fortes!